TSE e Google promovem debate sobre mitos das eleições brasileiras



Eleições Desmistificando Lendas Eleitorais.

Especialistas tiraram dúvidas acerca dos principais temas que costumam reaparecer como fake news em anos eleitorais

A segurança e o processo de auditoria das urnas eletrônicas, o combate à desinformação e a destinação dos votos dos candidatos com registro indeferido foram alguns dos temas abordados durante a live “Eleições: Desmistificando Lendas Eleitorais”, promovida nesta quarta-feira (4) pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e pelo Google.

O debate on-line, que teve como objetivo ampliar o conhecimento do eleitor brasileiro em torno de assuntos essenciais para a segurança e a realização do processo eleitoral de 2020, contou com a participação do secretário de Tecnologia da Informação do TSE, Giuseppe Janino, e da assessora especial da Presidência do Tribunal, Roberta Maia Gresta. A live foi mediada pela diretora-executiva do Instituto Palavra Aberta, Patrícia Blanco.

Durante a rodada de conversa, Giuseppe Janino comentou sobre um dos temas mais recorrentes durante os anos eleitorais: a segurança da urna eletrônica. Segundo ele, o equipamento foi concebido para ser isolado, ou seja, sem nenhum tipo de conectividade – nem com dispositivos de Bluetooth, nem com internet sem cabo (wifi) ou com qualquer tipo de interação.

Ele explicou que há mais de 30 barreiras digitais nas urnas eletrônicas brasileiras, além das físicas, como os lacres. Além disso, segundo destacou, frequentemente, é realizado o chamado Teste Público de Segurança do Sistema Eletrônico de Votação, ocasião em que são convidados hackers para tentar quebrar essas barreiras. “Tudo isso dá maior confiabilidade e transparência ao trabalho desenvolvido com as urnas”, afirmou.

Veja mais